Aula de pesquisa.

              Bem aqui é o último vídeo de aula que faço dentre vários que filmo. Como não tenho direção de outra pessoa, uso a câmera como olho para poder me dirigir. É uma linha de movimento meio instintiva e difícil de fechar coreograficamente, tenho tido dificuldade com ela, mas é o que quero como movimento pra mim.



                                      






Próteses

         Diante daquele ''mundaréu'' de objetos deixados ali para serem vendidos por uma baixa quantia me veio a vontade de falar sobre esse elo que temos com essas coisas. Olhando para todas aquelas coisas me perguntava de quem havia sido, Como havia parado ali e por que. E não é minha intenção evocar nenhum espírito ecológico com esse post, apenas falar sobre essa relação do culto ao novo, da constatação evidente diante de nossa fragilidade: o homem e suas próteses, cercado de parafernálias que o fornecem conforto e alguns lhe mantem vivo, além é claro da curiosidade de saber de onde vinham certas coisas.

        Cercado por todas aquelas coisas quebradas me sentia numa espécie de cemitério da sociedade do consumismo. Uma sensação nostálgica vinha atrelada a tudo isso.


                                 














TV Fábrica. A partir da esquizofrenia no twitter.

Caso não seja audível, o texto dito esta por escrito logo abaixo. Perdão pelos possíveis erros ortográfico e gramaticais, mas quis manter tal qual é dito no vídeo. Corrigi apenas os pontos mais absurdos. 

                      

Então
Pra que isso? Qual é a necessidade de estar sendo visto ouvido e lido constantemente?
É muito interessante como nos dirigimos para uma necessidade assídua e constante de nos relacionarmos, mas ao mesmo tempo paralelo a essa necessidade vemos uma ausência de relação, o que é bastante paradoxal, não?
Por que, ora. Você acaba sendo narcisista, por que se torna uma relação onde você fala com você mesmo sobre você mesmo, num autismo social absurdo. Não há, de fato, a meu ver obviamente. Claro, não estou aqui colocando nenhuma verdade. Não há uma relação precisa entre dois seres humanos, mas sim um duplo monólogo. Ora, mas pra que queremos uma relação, não é mesmo? Qual a necessidade que nós temos de relacionar constantemente, de maneira intensa e verdadeira, hum?
Rá!
Não faço a menos ideia
Mas eu acho que é isso sabe. É mais um questionamento acerca da atual situação social
Social querida!
Social sim!
É uma doença. É um mal que nos aflige
Ai gente! Estou falando besteira, estou com sono.
Acredito que dois terços do vídeo têm sim fundamento concreto, numa dúvida e um questionamento concreto, a outra parte até aqui, por exemplo, é besteirol e baboseira.
Mas queria deixar bastante claro para as pessoas que me conhecem e sabem que eu sou, o que não é muito coisa não é? Ainda! Que nada do que eu faço é vazio e sem sentido. Queria deixar absolutamente claro,(seria a única vez) todas as coisas que faço, registro, filmo e fotografo tem um sentido, tem um discurso comum, mas não poderia eu dizer que discurso, por que faço tais coisas, por que automaticamente eu desapareceria. É confuso eu sei, mas é que realmente não posso explicar, por que se eu explicar , o que eu quero que seja dito não será mais dito, não existirá mais. E não é marketing pessoal para chamar sua atenção para mim. É realmente um fato que eu não posso explicar (E não! eu não três peitos e cinco pênis), bem, é isso. Thank you very match for watch me.Tchau! Beijo! Felipe Damasceno fábrica de damas desliga.













Eu, pombo.


Vendo e pensando a TV saiu isso:


                       Hilário
             Há uma ''tentativa'' por parte da tv de ser crítica e satírica a partir dos fatos ocorridos no país, mas o que acontece é que de tanto falar isso, de tanto criar riso em cima dos problemas do país, o problema some e o foco fica sendo o rir de algo. Algo que não se sabe o que é, por que não a um aprofundamento, não se usa esse dispositivo que esta em todas as casas para de algum modo informar algo que faça a população pensar sobre aquilo. É apenas um motivo para gerar riso pelo riso. Nada mais além disso. Nada que faça a população pensar, e não quero aqui defender o discurso que coloca a população como burra e passiva diante de tudo que lhe é posto. Mas sim a postura desse dispositivo diante da população.

             Aquilo que antes surge como uma sátira acaba tornando-se um assunto vazio, ou seja, o ato de tanto se fazer rir o por que do rir acaba nem sendo mais entendido, escutada, tornando-se hipnótica e.. vazia mesmo. É  aquela teoria vai empurrando... Vai empurrando. Um humor bobo e pouco inteligente mesmo, criado para ser entendido de forma imediata e percebido como piada de forma instantânea, o que na maioria das vezes não tem graça. E não tem mesmo. Além, evidentemente, do apelo descarado ao corpo feminino, reforçando um machismo e a comercialização do corpo da mulher.A mulher como um pedaço de carne.


                                               Sexo: o Guia
                A partir dessa comercialização do corpo da mulher na TV como atrativo, percebo o sexo como norteador de toda a programação que passa nela. É como se tentássemos fugir desse ''homem primitivo'' que há em nós, mas ele esta lá de alguma maneira reforçando os nossas mais instintivas vontades. Evoluímos a um ponto onde possuímos comunicação instantânea e a longa distância, mas continuamos sendo macacos querendo fuder. E não que isso seja um problema, mas acredito que tenhamos outras possibilidades além dessa... Ou não. A nossa própria postura em fotos e em relacionar-se gira em torno disso, como se estivéssemos numa eterna dança do acasalamento. Piadas, brincadeiras, tudo gira em torno da trilogia guia de nossos tempo: cú, rola e buceta.

As músicas frisando constantemente valores como: ser raparigueiro, ser gostosa, pegador... Dentre outras virtudes tudo isso gerido pela filosofia "TO NEM AI" , "EU FAÇO O QUE QUERO", "FODA-SE" "SÓ EXISTE EU NO MUNDO".

                                                 Campanhas Políticas
                 Um dos maiores incômodos, além claro da poluição sonora visual, é o fato de tanto nos debates como em suas propagandas, a promessa da resolução dos problemas simplesmente assim:
Melhorar a educação, melhorar a saúde, construir vias de acesso...
Enfim, mas não se vê um aprofundamento dentro disso tudo. Não há nesses discursos um "como" Acredito ser muito reconfortante dizer que solucionará o problema da educação, mas não é só dizer que vai resolver. Penso que deva ser do conhecimento das pessoas quais as estratégias para resolver coisas ou desenvolver outras. Consequência disso a existência de debates televisivos funciona como um circo, onde não se tem tempo suficiente para discutir sobre o assunto, e o que mais me indigna é que os que estão para o tal debate são os que tem maior pontuação, ou seja, devo pensar dessa situação, que os que tem maior carga publicitária dentro da tv e fora dela são os que estão aptos a tomar as rédeas de uma cidade, estado, país ou seja lá o que for? É uma questão de visualização apenas? onde quem é mais vsto será eleito? Eleição não é propaganda de evento, margarina ou cerveja.

video







Pesquisar este blog